NOTÍCIAS

Com metade dos Smiths, Johnny Marr faz tributo ao rock inglês

por em 07/04/2014
Quem achava que a maioria do público que foi assistir ao Johnny Marr no palco Onix do Lollapalooza 2014 seria composta por tiozões, enganou-se. Sob o forte sol das 14h, o ex-guitarrista dos Smiths atraiu uma plateia diversificada, embora pequena. Havia, inclusive, um grande número de jovens que nem era nascido quando o grupo inglês estava no auge. Marr subiu ao palco animado. Em meio a dancinhas com a guitarra, tocou “Stop Me If You Think You’ve Heard This One Before”, da antiga banda. Quando anunciou “Genarate! Genarate!”, uma das músicas mais conhecidas da sua carreira solo, brincou: “Essa vai para aquelas pessoas que pensam demais. "Don’t Think Twice, It’s All Right” fez referência ao clássico de Bob Dylan. Mas, se alguém desconfiava que esta poderia ser uma indireta ao antigo amigo e companheiro de banda Morrissey, a certeza veio na seguinte, “Big Mouth Strikes Again”, que os dois escreveram juntos. “Essa aqui vai para todos os meus velhos amigos... e aos novos também”, anunciou. A animação de Marr (mesmo que britânica) agradou ao público. Enquanto uns poucos ensaiavam o grito “Johnny! Johnny!”, o resto, que não parecia conhecer sua carreira solo, dançava durante as músicas. A apresentação tornou-se praticamente um tributo ao rock inglês. Além de Smiths, Marr tocou “ I Fought The Law”, do Clash”, e dedicou “Getting Away With It”, sucesso do Electronic (projeto de Marr com Bernard Sumner, do New Order, e Neil Tennant, do Pet Shop Boys), à banda de Sumner, que fechará o palco Interlagos neste último dia de festival. Marr ainda chamou ao palco seu ex-companheiro de Smiths, o baixista Andy Rourke, para tocar “How Soon Is Now”. A partir daí, foram fãs chorando e jovens gritando. “Tô vendo o Smiths quase inteiro!”, ouvia-se. No encerramento, já sem Rourke, o músico voltou a cutucar Morrissey ao dedicar o clássico “There Is A Light That Never Goes Out” a “todos os presentes e mais ninguém mesmo”. O público, que a este ponto já havia aumentado, mostrava estar muito satisfeito.  
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
2
Na Conta Da Loucura
Bruno & Marrone
3
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
4
Aquela Pessoa
Henrique & Juliano
5
Ar-Condicionado No 15
Wesley Safadão
Áudio indisponível
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Com metade dos Smiths, Johnny Marr faz tributo ao rock inglês

por em 07/04/2014
Quem achava que a maioria do público que foi assistir ao Johnny Marr no palco Onix do Lollapalooza 2014 seria composta por tiozões, enganou-se. Sob o forte sol das 14h, o ex-guitarrista dos Smiths atraiu uma plateia diversificada, embora pequena. Havia, inclusive, um grande número de jovens que nem era nascido quando o grupo inglês estava no auge. Marr subiu ao palco animado. Em meio a dancinhas com a guitarra, tocou “Stop Me If You Think You’ve Heard This One Before”, da antiga banda. Quando anunciou “Genarate! Genarate!”, uma das músicas mais conhecidas da sua carreira solo, brincou: “Essa vai para aquelas pessoas que pensam demais. "Don’t Think Twice, It’s All Right” fez referência ao clássico de Bob Dylan. Mas, se alguém desconfiava que esta poderia ser uma indireta ao antigo amigo e companheiro de banda Morrissey, a certeza veio na seguinte, “Big Mouth Strikes Again”, que os dois escreveram juntos. “Essa aqui vai para todos os meus velhos amigos... e aos novos também”, anunciou. A animação de Marr (mesmo que britânica) agradou ao público. Enquanto uns poucos ensaiavam o grito “Johnny! Johnny!”, o resto, que não parecia conhecer sua carreira solo, dançava durante as músicas. A apresentação tornou-se praticamente um tributo ao rock inglês. Além de Smiths, Marr tocou “ I Fought The Law”, do Clash”, e dedicou “Getting Away With It”, sucesso do Electronic (projeto de Marr com Bernard Sumner, do New Order, e Neil Tennant, do Pet Shop Boys), à banda de Sumner, que fechará o palco Interlagos neste último dia de festival. Marr ainda chamou ao palco seu ex-companheiro de Smiths, o baixista Andy Rourke, para tocar “How Soon Is Now”. A partir daí, foram fãs chorando e jovens gritando. “Tô vendo o Smiths quase inteiro!”, ouvia-se. No encerramento, já sem Rourke, o músico voltou a cutucar Morrissey ao dedicar o clássico “There Is A Light That Never Goes Out” a “todos os presentes e mais ninguém mesmo”. O público, que a este ponto já havia aumentado, mostrava estar muito satisfeito.