NOTÍCIAS

“Mereço um Grammy por todas as acusações que venho sofrendo”, diz Marilyn Manson

por em 10/05/2012
Imagem: Divulgação

Em recente entrevista à NME, Marilyn Manson falou sobre a inspiração por trás de seu novo álbum, Born Villain, lançado no começo do mês, e sobre como ele se considera a pessoa mais acusada na história da música. 

Segundo Manson, o nome Born Villain foi inspirado no massacre de Columbine, quando dois estudantes atiraram e mataram 12 adolescentes e um professor na sala de aula, em 1999.

“Esse título é perfeito para esse registro, porque é quem eu sou. (...) As pessoas são criadas para se tornarem vilões ou para serem difamadas como eu?”, desabafa Manson.

Na época, relatos indicavam que os assassinos haviam se inspirado em músicas de Manson para cometer o crime, embora, mais tarde, tenha sido provado que eles não eram fãs do cantor.

 “Sobre Columbine, seria diferente se eles [os assassinos] realmente gostassem da minha música. Mas acho que foi colocada em mim uma culpa maior do que a de qualquer outra pessoa na história da música. Deveria haver algum tipo de Grammy para isso”, acrescenta.

O cantor ainda avisa que seu próximo álbum difere muito de seus lançamentos anteriores Eat Me, Drink Me e The High End Of Low: “Eu só queria fazer um álbum que eu escutaria e que não fosse como os dois anteriores. Não que eu não goste deles, mas é porque Eat Me, Drink Me foi meu primeiro álbum pessoal e The High End Of Low é um registro muito triste. Eles foram necessários, se não os tivesse escrito provavelmente não estaria aqui. Eu não sou uma pessoa suicida, mas poderia ter desmoronado”.

Apesar de carregar um pesado desabafo como inspiração para seu título, Born Villain marca uma nova fase do cantor: “Agora sinto que estou no controle da minha vida. Antes eu era infeliz, e quando uma pessoa é infeliz não tem controle sobre a sua vida. Eu não sou masoquista. Estou simplesmente tentando aproveitar o que eu faço”, finaliza. 

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Ar-Condicionado No 15
Wesley Safadão
Áudio indisponível
2
Regime Fechado
Simone & Simaria
3
Avisa Que Eu Cheguei (Part. Ivete Sangalo)
Naiara Azevedo
4
Na Conta Da Loucura
Bruno & Marrone
5
Amigo Taxista
Zé Neto & Cristiano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

“Mereço um Grammy por todas as acusações que venho sofrendo”, diz Marilyn Manson

por em 10/05/2012
Imagem: Divulgação

Em recente entrevista à NME, Marilyn Manson falou sobre a inspiração por trás de seu novo álbum, Born Villain, lançado no começo do mês, e sobre como ele se considera a pessoa mais acusada na história da música. 

Segundo Manson, o nome Born Villain foi inspirado no massacre de Columbine, quando dois estudantes atiraram e mataram 12 adolescentes e um professor na sala de aula, em 1999.

“Esse título é perfeito para esse registro, porque é quem eu sou. (...) As pessoas são criadas para se tornarem vilões ou para serem difamadas como eu?”, desabafa Manson.

Na época, relatos indicavam que os assassinos haviam se inspirado em músicas de Manson para cometer o crime, embora, mais tarde, tenha sido provado que eles não eram fãs do cantor.

 “Sobre Columbine, seria diferente se eles [os assassinos] realmente gostassem da minha música. Mas acho que foi colocada em mim uma culpa maior do que a de qualquer outra pessoa na história da música. Deveria haver algum tipo de Grammy para isso”, acrescenta.

O cantor ainda avisa que seu próximo álbum difere muito de seus lançamentos anteriores Eat Me, Drink Me e The High End Of Low: “Eu só queria fazer um álbum que eu escutaria e que não fosse como os dois anteriores. Não que eu não goste deles, mas é porque Eat Me, Drink Me foi meu primeiro álbum pessoal e The High End Of Low é um registro muito triste. Eles foram necessários, se não os tivesse escrito provavelmente não estaria aqui. Eu não sou uma pessoa suicida, mas poderia ter desmoronado”.

Apesar de carregar um pesado desabafo como inspiração para seu título, Born Villain marca uma nova fase do cantor: “Agora sinto que estou no controle da minha vida. Antes eu era infeliz, e quando uma pessoa é infeliz não tem controle sobre a sua vida. Eu não sou masoquista. Estou simplesmente tentando aproveitar o que eu faço”, finaliza.