NOTÍCIAS

Minimalista e com o público na mão, Lorde entope palco Interlagos

por em 07/04/2014
Por Maurício Amendola Muito provavelmente o nome mais popular da atualidade no Lollapalooza 2014, Lorde subiu ao palco Interlagos às 18h30 em ponto e fez uma apresentação que emocionou os fãs e impressionou os curiosos que lá estavam. Performática, a cantora deixou a barriga à mostra e dançou da maneira nada convencional – porém, hipnótica – que tem se tornado sua marca, enquanto a plateia cantava durante quase todas as músicas. A abertura foi com o novo single “Glory And Gore” e, logo de cara, ficou claro que “a vitória há de ser contagiosa”, como diz um trecho da faixa. Lorde, aos 17 anos, estabelece um vínculo de gente grande com aqueles que a assistem, ainda que as bases de suas canções sejam extremamente minimalistas e algo experimentais. Entre choros e gritos de “we love you” – respondidos  reciprocamente pela cantora –, o público ficou vidrado no palco, composto por apenas três músicos, incluindo a pequena notável. “Tennis Court” e “White Teeth Teens” foram pontos marcantes do show. Esta segunda, ainda que não tenha sido lançada como single, causou comoção nos fãs mais enlouquecidos próximos à grade.  Em “Ribs”, a cantora discursou a respeito do seu medo de envelhecer – tema presente na canção – e, mais uma vez, recebeu o coro uníssono de um palco Interlagos abarrotado. Ainda houve tempo para a cover “Hold My Liquor”, de Kanye West, de quem Lorde é assumidamente fã, tendo sido, inclusive, influência para a sonoridade seca que compõe seus beats. Enquanto alguns pediam pela música “Bravado”, parte do repertório do EP The Love Club, antecessor do laureado Pure Heroine (2013), veio o grande hit. Seria obviedade em demasia dizer que “Royals”, Canção do Ano no Grammy 2014, foi cantada do início ao fim pelos fãs. Mas vale apontar que até os que não aparentaram, até então, o entusiasmo frenético que dominava o ambiente, chacoalharam a cabeça e foram cativados pela música que virou o pop do avesso. Coincidentemente ou não, Lorde empunhou a bandeira do Brasil enquanto entoava pela primeira vez o refrão. Lorde, que ao usar maquiagem, camuflou algumas das marcas da adolescência – não que isso fosse necessário, já que justamente sua idade é mais um de seus atrativos como artista – demonstrou ao público do Lollapalooza que ela, de fato, não segue nenhuma tendência atual. Mas tem grandes chances de estar lançando uma. Uma nota para lamentar: após a apresentação, o percurso para outros palcos ficou totalmente impraticável por longos minutos. Enquanto uma multidão tentava se dirigir aos demais ambientes, outra se encaminhava ao palco Interlagos para ver a Nação Zumbi. Em função de uma passagem extremamente estreita – para as proporções do festival – um empurra-empurra generalizado se instalou sem que ninguém pudesse se locomover. Por sorte, depois de um bom tempo simplesmente parados ou se segurando para não derrubarem uns aos outros, aqueles que estavam assistindo ao show de Lorde conseguiram caminhar em direção aos outros palcos.
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Ar-Condicionado No 15
Wesley Safadão
Áudio indisponível
2
Regime Fechado
Simone & Simaria
3
Avisa Que Eu Cheguei (Part. Ivete Sangalo)
Naiara Azevedo
4
Na Conta Da Loucura
Bruno & Marrone
5
Amigo Taxista
Zé Neto & Cristiano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Minimalista e com o público na mão, Lorde entope palco Interlagos

por em 07/04/2014
Por Maurício Amendola Muito provavelmente o nome mais popular da atualidade no Lollapalooza 2014, Lorde subiu ao palco Interlagos às 18h30 em ponto e fez uma apresentação que emocionou os fãs e impressionou os curiosos que lá estavam. Performática, a cantora deixou a barriga à mostra e dançou da maneira nada convencional – porém, hipnótica – que tem se tornado sua marca, enquanto a plateia cantava durante quase todas as músicas. A abertura foi com o novo single “Glory And Gore” e, logo de cara, ficou claro que “a vitória há de ser contagiosa”, como diz um trecho da faixa. Lorde, aos 17 anos, estabelece um vínculo de gente grande com aqueles que a assistem, ainda que as bases de suas canções sejam extremamente minimalistas e algo experimentais. Entre choros e gritos de “we love you” – respondidos  reciprocamente pela cantora –, o público ficou vidrado no palco, composto por apenas três músicos, incluindo a pequena notável. “Tennis Court” e “White Teeth Teens” foram pontos marcantes do show. Esta segunda, ainda que não tenha sido lançada como single, causou comoção nos fãs mais enlouquecidos próximos à grade.  Em “Ribs”, a cantora discursou a respeito do seu medo de envelhecer – tema presente na canção – e, mais uma vez, recebeu o coro uníssono de um palco Interlagos abarrotado. Ainda houve tempo para a cover “Hold My Liquor”, de Kanye West, de quem Lorde é assumidamente fã, tendo sido, inclusive, influência para a sonoridade seca que compõe seus beats. Enquanto alguns pediam pela música “Bravado”, parte do repertório do EP The Love Club, antecessor do laureado Pure Heroine (2013), veio o grande hit. Seria obviedade em demasia dizer que “Royals”, Canção do Ano no Grammy 2014, foi cantada do início ao fim pelos fãs. Mas vale apontar que até os que não aparentaram, até então, o entusiasmo frenético que dominava o ambiente, chacoalharam a cabeça e foram cativados pela música que virou o pop do avesso. Coincidentemente ou não, Lorde empunhou a bandeira do Brasil enquanto entoava pela primeira vez o refrão. Lorde, que ao usar maquiagem, camuflou algumas das marcas da adolescência – não que isso fosse necessário, já que justamente sua idade é mais um de seus atrativos como artista – demonstrou ao público do Lollapalooza que ela, de fato, não segue nenhuma tendência atual. Mas tem grandes chances de estar lançando uma. Uma nota para lamentar: após a apresentação, o percurso para outros palcos ficou totalmente impraticável por longos minutos. Enquanto uma multidão tentava se dirigir aos demais ambientes, outra se encaminhava ao palco Interlagos para ver a Nação Zumbi. Em função de uma passagem extremamente estreita – para as proporções do festival – um empurra-empurra generalizado se instalou sem que ninguém pudesse se locomover. Por sorte, depois de um bom tempo simplesmente parados ou se segurando para não derrubarem uns aos outros, aqueles que estavam assistindo ao show de Lorde conseguiram caminhar em direção aos outros palcos.