NOTÍCIAS

Nine Inch Nails e Kid Cudi encerram seus palcos no Lollapalooza

por em 07/04/2014
Um dos grandes veteranos da terceira edição do Lollapalooza no Brasil, o Nine Inch Nails deu números finais ao palco Onix, ou poderíamos chamar, Longix, tamanha a distância do espaço reservado ao show de outros ambientes. Quem saía do show da Lorde (palco Interlagos) interessado em conferir Trent Reznor e companhia chegava a demorar 40 minutos no trajeto. Segundo a organização, 80 mil pessoas compareceram ao evento neste sábado. Mas a impressão era de 200 mil. Gargalos em alguns pontos do autódromo causaram momentos de grande tensão, com a multidão tendo bastante dificuldade para se locomover. No palco, os integrantes do NIN dividiram atenção com as luzes que são a marca da atual turnê. O início do show foi frenético: da abertura, com “Wish”, até a quinta música, “March Of The Pigs”. O pique não foi mantido no meio do set, apesar da execução de “Burn”, mas uma trinca de hits no arremate (“The Hand That Feeds”, “Head Like A Hole” e a balada “Hurt”, regravada por Johnny Cash) deixou até os fãs menos dedicados satisfeitos. Kid Cudi adentrou a tenda eletrônica sozinho. E assim ficou até a conclusão do show, definido pelo sucesso “Pursuit Of Happiness”. Visivelmente emocionado em sua primeira visita ao continente, o “rapper” (ele faz aspas com as mãos quando usa a expressão para se classificar) enveredou pelo bate-estaca em algumas passagens. E os presentes, curiosamente, preferiam esses flertes com o poperô aos números mais inclinados ao hip hop. Mais cedo, os mexicanos do Café Tacvba tocaram para sua maior audiência no país. A colônia mexicana puxou gritos de “olê, olê, olê, olê, Café, Café” para saudar os conterrânes, que devolveram o chamego em hits como “El Fin De La Infancia” e “Chica Banda”, a última do repertório. No mesmo palco que o Café Tacvba, o baiano Lucas Santtana cantou para pouco mais de cem pessoas. Mais sorte teve o capixaba Silva, que trouxe o naipe de sopros do combo paulistano Bixiga 70 para incrementar três músicas da sua apresentação, a que inaugurou o palco Longix. O cantor e tecladista atraiu um número expressivo de fãs, que mostraram entusiasmo, mesmo com o sol inclemente que castigava São Paulo no começo da tarde.
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
2
Aquela Pessoa
Henrique & Juliano
3
Ar-Condicionado No 15
Wesley Safadão
Áudio indisponível
4
Avisa Que Eu Cheguei (Part. Ivete Sangalo)
Naiara Azevedo
5
Regime Fechado
Simone & Simaria
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Nine Inch Nails e Kid Cudi encerram seus palcos no Lollapalooza

por em 07/04/2014
Um dos grandes veteranos da terceira edição do Lollapalooza no Brasil, o Nine Inch Nails deu números finais ao palco Onix, ou poderíamos chamar, Longix, tamanha a distância do espaço reservado ao show de outros ambientes. Quem saía do show da Lorde (palco Interlagos) interessado em conferir Trent Reznor e companhia chegava a demorar 40 minutos no trajeto. Segundo a organização, 80 mil pessoas compareceram ao evento neste sábado. Mas a impressão era de 200 mil. Gargalos em alguns pontos do autódromo causaram momentos de grande tensão, com a multidão tendo bastante dificuldade para se locomover. No palco, os integrantes do NIN dividiram atenção com as luzes que são a marca da atual turnê. O início do show foi frenético: da abertura, com “Wish”, até a quinta música, “March Of The Pigs”. O pique não foi mantido no meio do set, apesar da execução de “Burn”, mas uma trinca de hits no arremate (“The Hand That Feeds”, “Head Like A Hole” e a balada “Hurt”, regravada por Johnny Cash) deixou até os fãs menos dedicados satisfeitos. Kid Cudi adentrou a tenda eletrônica sozinho. E assim ficou até a conclusão do show, definido pelo sucesso “Pursuit Of Happiness”. Visivelmente emocionado em sua primeira visita ao continente, o “rapper” (ele faz aspas com as mãos quando usa a expressão para se classificar) enveredou pelo bate-estaca em algumas passagens. E os presentes, curiosamente, preferiam esses flertes com o poperô aos números mais inclinados ao hip hop. Mais cedo, os mexicanos do Café Tacvba tocaram para sua maior audiência no país. A colônia mexicana puxou gritos de “olê, olê, olê, olê, Café, Café” para saudar os conterrânes, que devolveram o chamego em hits como “El Fin De La Infancia” e “Chica Banda”, a última do repertório. No mesmo palco que o Café Tacvba, o baiano Lucas Santtana cantou para pouco mais de cem pessoas. Mais sorte teve o capixaba Silva, que trouxe o naipe de sopros do combo paulistano Bixiga 70 para incrementar três músicas da sua apresentação, a que inaugurou o palco Longix. O cantor e tecladista atraiu um número expressivo de fãs, que mostraram entusiasmo, mesmo com o sol inclemente que castigava São Paulo no começo da tarde.