NOTÍCIAS

“O Blur e o Gorillaz não acabaram”, diz Damon Albarn

por em 25/04/2012
Imagem: Divulgação

Músico por trás das bandas Blur e Gorillaz, o britânico Damon Albarm declarou que os dois grupos não acabaram e que ainda continuarão na ativa. As informações são do site da revista britânica NME.

Recentemente, veículos noticiaram que Albarn havia dito que o Gorillaz não produziria mais material, e que o show do Blur no Hyde Park, em Londres, poderia ser o último da banda.

Porém, em entrevista ao jornal Metro, Albarn negou as informações, dizendo que sua declaração foi tirada do contexto e colocada em um artigo.

Questionado se o show do Blur no Hyde Park seria o último da carreira da banda, Albarn disse: “Não. Isso veio de um artigo que surgiu de uma interessante e longa conversa. Eu não sei como vamos nos sentir quando tocarmos no Hyde Park. Algumas vezes eu me sinto de um jeito e em outras de outro.”

E continuou: “Se você não vê algo como uma carreira, mas sim como uma parte importante da sua vida, você não sabe como vai se sentir sobre isso. Nós queremos fazer um grande show, mas não falamos nada sobre início ou fim”.

Falando sobre o Gorillaz, Albarn negou o fim da banda, e revelou que, agora que “resolveu suas diferenças” com com seu parceiro Jamie Hewlett, pode lançar um novo álbum pelo projeto.

“Nós já passamos por muitas coisas juntos, é uma grande montanha a se escalar. Nós caímos como companheiros fazem às vezes. Eu não sou a única pessoa a cair com um companheiro e depois consertar – todo mundo faz isso”, explicou.

O Blur se apresenta no Hyde Park no dia 7 de agosto. Ao falar sobre o show, Albarn destacou o prazer que tem em tocar com sua banda, mas reiterou que não sabe até quando continuará tendo este sentimento.

“Eu amo tocar com o Blur. Ao mesmo tempo, penso que não quero estragar tudo fazendo isso por muito tempo e parecendo uma caricatura de mim mesmo. Aos 44 anos, sinto uma pequena trepidação quando pulo no palco, mas eu amo isso.”

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Ar-Condicionado No 15
Wesley Safadão
Áudio indisponível
2
Regime Fechado
Simone & Simaria
3
Avisa Que Eu Cheguei (Part. Ivete Sangalo)
Naiara Azevedo
4
Na Conta Da Loucura
Bruno & Marrone
5
Amigo Taxista
Zé Neto & Cristiano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

“O Blur e o Gorillaz não acabaram”, diz Damon Albarn

por em 25/04/2012
Imagem: Divulgação

Músico por trás das bandas Blur e Gorillaz, o britânico Damon Albarm declarou que os dois grupos não acabaram e que ainda continuarão na ativa. As informações são do site da revista britânica NME.

Recentemente, veículos noticiaram que Albarn havia dito que o Gorillaz não produziria mais material, e que o show do Blur no Hyde Park, em Londres, poderia ser o último da banda.

Porém, em entrevista ao jornal Metro, Albarn negou as informações, dizendo que sua declaração foi tirada do contexto e colocada em um artigo.

Questionado se o show do Blur no Hyde Park seria o último da carreira da banda, Albarn disse: “Não. Isso veio de um artigo que surgiu de uma interessante e longa conversa. Eu não sei como vamos nos sentir quando tocarmos no Hyde Park. Algumas vezes eu me sinto de um jeito e em outras de outro.”

E continuou: “Se você não vê algo como uma carreira, mas sim como uma parte importante da sua vida, você não sabe como vai se sentir sobre isso. Nós queremos fazer um grande show, mas não falamos nada sobre início ou fim”.

Falando sobre o Gorillaz, Albarn negou o fim da banda, e revelou que, agora que “resolveu suas diferenças” com com seu parceiro Jamie Hewlett, pode lançar um novo álbum pelo projeto.

“Nós já passamos por muitas coisas juntos, é uma grande montanha a se escalar. Nós caímos como companheiros fazem às vezes. Eu não sou a única pessoa a cair com um companheiro e depois consertar – todo mundo faz isso”, explicou.

O Blur se apresenta no Hyde Park no dia 7 de agosto. Ao falar sobre o show, Albarn destacou o prazer que tem em tocar com sua banda, mas reiterou que não sabe até quando continuará tendo este sentimento.

“Eu amo tocar com o Blur. Ao mesmo tempo, penso que não quero estragar tudo fazendo isso por muito tempo e parecendo uma caricatura de mim mesmo. Aos 44 anos, sinto uma pequena trepidação quando pulo no palco, mas eu amo isso.”