NOTÍCIAS

O mico da semana: Fyre Fest

Entenda como falhou o evento que prometia shows em acomodações VIP e entregou barracas de camping

por Redação em 29/04/2017

O grande assunto desse final de semana é o mico do evento chamado Fyre Fest. Anunciado como um festival VIP, cheio de estrelas (nos palcos e nos materiais de divulgação), os organizadores prometiam acomodações VIP numa “ilha exclusiva” nas Bahamas. Chegando lá, quem comprou ingressos se deparou com barracas de camping, áreas desertas e uma ilha que mais parecia uma pedreira.

As imagens do que foi prometido e do que realmente foi entregue dominaram a cobertura do festival fracassado e grande parte da mídia se baseou em fotos de um blogueiro de 32 anos chamado Seth Crossno, de Raleigh, Carolina do Norte, que usa o codnome William N. Finley IV. As fotos de Crossno no Instagram e no Twitter foram algumas das imagens mais amplamente compartilhadas do Fyre Festival, dando ao resto do mundo um gosto no festival naufragado.

A Billboard localizou Crossno para discutir sua experiência na ilha e entendeu como suas imagens e posts de mídias sociais ressoaram para centenas de milhares de pessoas, que assistiram de longe.

Por que você decidiu assistir Fyre Festival?
Eu precisava de férias, já estava há mais de um ano sem. Pensei: "Legal, olhe para todas essas coisas que eu posso fazer no Fyre Festival". Eu penso em mim como um influenciador através do meu blog, que começou como uma sátira local. Mas quando eu desembarquei e vi o local do festival, eu estava tipo: “Tudo bem, não há sátira aqui. Tudo isso é real”. Então, eu só comecei a relatar o que eu estava vendo e a mídia começou a reproduzir. Eu estava tipo: “Sim, você pode usar isso'. Eu não achava que minhas fotos e tuítes iriam aparecer na primeira página dos sites.

Suas fotos estavam em toda parte. Às vezes parecia que você era a única pessoa a postar imagens!
Isso é o que eu não entendo. Quando chegamos lá, eu me perguntava se era o único que teve expectativas maiores para este evento. Mas não demorou muito para que meu amigo dissesse: “Estamos saindo dessa ilha”. Por que ninguém mais tuitou desse buraco? Eu não sei.

Você teve um sentido de responsabilidade ao relatar o que estava acontecendo?
Sim, principalmente depois que eu percebi que muitos dos meus tuítes estavam sendo pegos pela mídia.

Seu vídeo no Periscope foi visto mais de 175 mil vezes. Ficou surpreso com o número?
Na verdade, não. As pessoas adoram um acidente, especialmente nesse caso, que causava inveja de quem estava lá pelo fato de ser prometido como um “festival exclusivo”. Mas havia muita desinformação. O ingresso não era US$ 12 mil como muitos na mídia estavam dizendo. Eu paguei US$ 4.000 - o VIP que eu comprei foi de US$ 2.700 e teve mais US$ 1.300 para acesso à Villa VIP [os dois amigos dividiram o valor de US$ 8.000 pela barraca]. Sim, isso é um monte de dinheiro, mas é o que eu pensei que seria o custo para passar quatro noites nas Bahamas e estar com celebridades A. Por US$ 4.000, isso é muito barato.

E como estava a Villa VIP quando você chegou?
Quando chegamos, poderíamos dizer imediatamente que não estávamos em uma ilha privada. Estávamos em apenas uma parte de uma ilha maior. Parecia uma pedreira ou algo assim. Havia apenas carros em toda parte, caminhões e muita gente. E então eles nos deixaram bem no meio dessa multidão. E na fila estava Billy McFarland [um dos organizadores do evento] de pé sobre uma mesa tentando responder perguntas. Mas ninguém pode ouvi-lo. Ele parecia um idiota de pé sobre esta mesa, dizendo para as pessoas para ir pegar uma barraca. Qualquer tenda. E então as pessoas começaram a correr para as tendas, agarrando tendas que eram de outras pessoas. Parecia que ninguém estava no comando.

Em que ponto você decidiu ir embora?
Cerca de 23h. Tínhamos sido expulsos de várias tendas e ninguém mostrou a localização da nossa. Nós fomos para o aeroporto sem ideia se estava aberto. Felizmente estava. Chegamos lá às 23h30 e o voo foi marcado para 1h30 da manhã. Eles estavam escrevendo manualmente nomes e números de passaporte e nem estavam checando pessoa por pessoa – um casal ainda estava bêbado e não escutava seus nomes na chamada do voo. Então, eles nos fizeram descer do avião e voltar, verificando-nos um por um. Por esse tempo, nós sentamos no avião outra vez por umas duas horas e então nós tivemos que sair de novo. Acabamos  bloqueados dentro do aeroporto. Colocaram um cadeado na porta e o lugar ficou tão quente que um sujeito desmaiou. Finalmente, o embarque definitivo começou entre 7h30 e 8h30. Em torno de 9h30, 10h, nós descolamos.

Um dos seus tuítes mostra um bloco de anotações da organização. Onde você achou isso?
Foi quando Billy McFarland estava de pé sobre esta mesa para tentar dizer às pessoas o que estava acontecendo. O bloco estava naquela mesa e caiu no chão. Eu tirei um monte de fotos do bloco e eu não publiquei outras, com páginas com centenas e centenas de nomes, todos escritos à mão.

Ja Rule emitiu uma declaração dizendo aos fãs que o Fyre Festival não era uma farsa. O que você achou quando ouviu isso?
Eu nunca pensei que fosse uma farsa. Eu honestamente acho que é um exemplo de incompetência total. Mas vou dizer que havia um monte de coisas que mudaram à medida que o evento se aproximava. Primeiro era numa ilha particular e depois foi transferida para um pedaço de uma ilha próximo a um resort. Eu continuava dando-lhes o benefício da dúvida, provavelmente subconscientemente. Quero dizer, eu estava com US$ 4.000 nesta coisa.

Uma das fotos mais famosas foi uma imagem de um sanduíche com apenas pão, queijo e alface. Havia outro alimento?
Sim, tinha uma tenda com sanduíches e outra com jantar com churrasco, frango, massas e saladas. Não foi tão ruim assim.

Então a imagem era uma falsa representação?
Bem, essa era uma das opções. Sanduíche de queijo. Não havia menu. Você era apenas orientado a ir pras mesas e uma tenda que entregava comida e, em seguida, para uma grande cesta de batatas fritas e algumas maçãs e laranjas. A maioria das pessoas que trabalhavam na alimentação  era das Bahamas e eles foram extremamente agradáveis considerando a situação terrível.

Alguma parte do local entregava o “paraíso tropical” prometido na divulgação?
Não. Na verdade, não. Era só cascalho e grama. E areia em frente ao palco. Graças a Deus que não começou a chover.

Algum arrependimento?
Eu não tenho certeza, mas eu sei que eu convenci um monte de gente a não ir pra lá. Muita gente no Instagram e no Twitter perguntando sobre o festival e eu disse a eles não irem. E muita gente respondeu: “Muito obrigado, estou cancelando meus ingressos”. Eu estava feliz porque ninguém mais teria que passar por isso.

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Ar-Condicionado No 15
Wesley Safadão
Áudio indisponível
2
Regime Fechado
Simone & Simaria
3
Avisa Que Eu Cheguei (Part. Ivete Sangalo)
Naiara Azevedo
4
Na Conta Da Loucura
Bruno & Marrone
5
Amigo Taxista
Zé Neto & Cristiano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

O mico da semana: Fyre Fest

Entenda como falhou o evento que prometia shows em acomodações VIP e entregou barracas de camping

por Redação em 29/04/2017

O grande assunto desse final de semana é o mico do evento chamado Fyre Fest. Anunciado como um festival VIP, cheio de estrelas (nos palcos e nos materiais de divulgação), os organizadores prometiam acomodações VIP numa “ilha exclusiva” nas Bahamas. Chegando lá, quem comprou ingressos se deparou com barracas de camping, áreas desertas e uma ilha que mais parecia uma pedreira.

As imagens do que foi prometido e do que realmente foi entregue dominaram a cobertura do festival fracassado e grande parte da mídia se baseou em fotos de um blogueiro de 32 anos chamado Seth Crossno, de Raleigh, Carolina do Norte, que usa o codnome William N. Finley IV. As fotos de Crossno no Instagram e no Twitter foram algumas das imagens mais amplamente compartilhadas do Fyre Festival, dando ao resto do mundo um gosto no festival naufragado.

A Billboard localizou Crossno para discutir sua experiência na ilha e entendeu como suas imagens e posts de mídias sociais ressoaram para centenas de milhares de pessoas, que assistiram de longe.

Por que você decidiu assistir Fyre Festival?
Eu precisava de férias, já estava há mais de um ano sem. Pensei: "Legal, olhe para todas essas coisas que eu posso fazer no Fyre Festival". Eu penso em mim como um influenciador através do meu blog, que começou como uma sátira local. Mas quando eu desembarquei e vi o local do festival, eu estava tipo: “Tudo bem, não há sátira aqui. Tudo isso é real”. Então, eu só comecei a relatar o que eu estava vendo e a mídia começou a reproduzir. Eu estava tipo: “Sim, você pode usar isso'. Eu não achava que minhas fotos e tuítes iriam aparecer na primeira página dos sites.

Suas fotos estavam em toda parte. Às vezes parecia que você era a única pessoa a postar imagens!
Isso é o que eu não entendo. Quando chegamos lá, eu me perguntava se era o único que teve expectativas maiores para este evento. Mas não demorou muito para que meu amigo dissesse: “Estamos saindo dessa ilha”. Por que ninguém mais tuitou desse buraco? Eu não sei.

Você teve um sentido de responsabilidade ao relatar o que estava acontecendo?
Sim, principalmente depois que eu percebi que muitos dos meus tuítes estavam sendo pegos pela mídia.

Seu vídeo no Periscope foi visto mais de 175 mil vezes. Ficou surpreso com o número?
Na verdade, não. As pessoas adoram um acidente, especialmente nesse caso, que causava inveja de quem estava lá pelo fato de ser prometido como um “festival exclusivo”. Mas havia muita desinformação. O ingresso não era US$ 12 mil como muitos na mídia estavam dizendo. Eu paguei US$ 4.000 - o VIP que eu comprei foi de US$ 2.700 e teve mais US$ 1.300 para acesso à Villa VIP [os dois amigos dividiram o valor de US$ 8.000 pela barraca]. Sim, isso é um monte de dinheiro, mas é o que eu pensei que seria o custo para passar quatro noites nas Bahamas e estar com celebridades A. Por US$ 4.000, isso é muito barato.

E como estava a Villa VIP quando você chegou?
Quando chegamos, poderíamos dizer imediatamente que não estávamos em uma ilha privada. Estávamos em apenas uma parte de uma ilha maior. Parecia uma pedreira ou algo assim. Havia apenas carros em toda parte, caminhões e muita gente. E então eles nos deixaram bem no meio dessa multidão. E na fila estava Billy McFarland [um dos organizadores do evento] de pé sobre uma mesa tentando responder perguntas. Mas ninguém pode ouvi-lo. Ele parecia um idiota de pé sobre esta mesa, dizendo para as pessoas para ir pegar uma barraca. Qualquer tenda. E então as pessoas começaram a correr para as tendas, agarrando tendas que eram de outras pessoas. Parecia que ninguém estava no comando.

Em que ponto você decidiu ir embora?
Cerca de 23h. Tínhamos sido expulsos de várias tendas e ninguém mostrou a localização da nossa. Nós fomos para o aeroporto sem ideia se estava aberto. Felizmente estava. Chegamos lá às 23h30 e o voo foi marcado para 1h30 da manhã. Eles estavam escrevendo manualmente nomes e números de passaporte e nem estavam checando pessoa por pessoa – um casal ainda estava bêbado e não escutava seus nomes na chamada do voo. Então, eles nos fizeram descer do avião e voltar, verificando-nos um por um. Por esse tempo, nós sentamos no avião outra vez por umas duas horas e então nós tivemos que sair de novo. Acabamos  bloqueados dentro do aeroporto. Colocaram um cadeado na porta e o lugar ficou tão quente que um sujeito desmaiou. Finalmente, o embarque definitivo começou entre 7h30 e 8h30. Em torno de 9h30, 10h, nós descolamos.

Um dos seus tuítes mostra um bloco de anotações da organização. Onde você achou isso?
Foi quando Billy McFarland estava de pé sobre esta mesa para tentar dizer às pessoas o que estava acontecendo. O bloco estava naquela mesa e caiu no chão. Eu tirei um monte de fotos do bloco e eu não publiquei outras, com páginas com centenas e centenas de nomes, todos escritos à mão.

Ja Rule emitiu uma declaração dizendo aos fãs que o Fyre Festival não era uma farsa. O que você achou quando ouviu isso?
Eu nunca pensei que fosse uma farsa. Eu honestamente acho que é um exemplo de incompetência total. Mas vou dizer que havia um monte de coisas que mudaram à medida que o evento se aproximava. Primeiro era numa ilha particular e depois foi transferida para um pedaço de uma ilha próximo a um resort. Eu continuava dando-lhes o benefício da dúvida, provavelmente subconscientemente. Quero dizer, eu estava com US$ 4.000 nesta coisa.

Uma das fotos mais famosas foi uma imagem de um sanduíche com apenas pão, queijo e alface. Havia outro alimento?
Sim, tinha uma tenda com sanduíches e outra com jantar com churrasco, frango, massas e saladas. Não foi tão ruim assim.

Então a imagem era uma falsa representação?
Bem, essa era uma das opções. Sanduíche de queijo. Não havia menu. Você era apenas orientado a ir pras mesas e uma tenda que entregava comida e, em seguida, para uma grande cesta de batatas fritas e algumas maçãs e laranjas. A maioria das pessoas que trabalhavam na alimentação  era das Bahamas e eles foram extremamente agradáveis considerando a situação terrível.

Alguma parte do local entregava o “paraíso tropical” prometido na divulgação?
Não. Na verdade, não. Era só cascalho e grama. E areia em frente ao palco. Graças a Deus que não começou a chover.

Algum arrependimento?
Eu não tenho certeza, mas eu sei que eu convenci um monte de gente a não ir pra lá. Muita gente no Instagram e no Twitter perguntando sobre o festival e eu disse a eles não irem. E muita gente respondeu: “Muito obrigado, estou cancelando meus ingressos”. Eu estava feliz porque ninguém mais teria que passar por isso.