NOTÍCIAS

Os melhores e os piores álbuns de Madonna

por em 11/03/2015

PorJason LipshutzJoe Lynch, Leslie Richin

Com o lançamento de Rebel Heart esta semana, a equipe Billboard fez um ranking dos álbuns da Rainha do Pop, tomando por base um sistema simples de votos. Nós de Billboard Brasil concordamos com a ordem. Rebel Heart ainda não entra em discussão, pois ainda é muito cedo para determinar seu lugar na obra de Madonna.

13. MDNA (2012)

Apesar de não ter tido nenhum grande efeito com os fãs na época do lançamento, MDNA certamente tem os seus momentos. E, visto que até ontem era o álbum mais recente de Madonna, talvez leve um tempo para nos acostumarmos e apreciá-lo melhor.

12. American Life (2003)

Apesar de não ser tão ruim quanto os críticos afirmam, American Life é um álbum desigual. Ainda assim, merece aplausos pela arriscada mistura de pop, eletrônica e passagens folk.  

Screen Shot 2015-03-10 at 10.26.51 PM

11. Hard Candy (2008)

Para esse álbum, Madonna contou com um time de sucesso. Por exemplo, “4 Minutes” teve a participação de Justin Timberlake e Timbaland, “Give It 2 Me”, Pharrell, “Devil Wouldn't Recognize You” e “Beat Goes On”, Kanye West. O disco chegou ao número 1 do ranking Billboard 200.  

10. I'm Breathless (1990)

Apesar de Madonna não contar esse como um dos seus álbuns de estúdio, nós o incluímos na lista. Diferentemente das outras trilhas sonoras de Madonna (nesse caso, do filme Dick Tracy), tudo em I’m Breathless é: a) cantado por Madonna e b) escrito para o álbum ou para o filme que o inspirou. “Hanky Panky”, “Something To Remember” e a imortal “Vogue” são algumas das suas melhores performances vocais.  

 

9. Music (2000)

Seguindo o sucesso comercial de Ray Of LightMusic foi um retorno da estrela ao seu lado mais experimental, com trance e música country (veja o chapéu usado na capa!), sendo incorporados à mistura. “Music” continua sendo um triunfo por ter unido burgueses e rebeldes, “Impressive Instant” parece algo saído do álbum Homework, do Daft Punk, e "Don't Tell Me" é um dos singles mais subestimados da Rainha do Pop (Miley Cyrus sacou o seu poder e o regravou ao lado da professora). O tempo tem sido bom com Music, um álbum no qual Madonna expandiu sua visão de mundo enquanto permaneceu fiel a si mesma.

8. True Blue (1986)

De 1986 a 1987 Madonna se manteve ocupada fazendo a divulgação do seu terceiro álbum, True Blue – que a rendeu três números 1 no Hot 100. Foi a turnê de True Blue que fez de Madonna uma estrela internacional. Entre as faixas de destaque do disco – dedicado ao marido da cantora à época, o ator Sean Penn – estão “Live to Tell”, “Papa Don't Preach”, “Open Your Heart” e “La Isla Bonita”.

7. Like A Virgin (1984)

Com seu cinto e seu vestido de noiva, Madonna ditou a moda em boa parte da década de 1980.  As faixas de destaque do seu primeiro disco número 1 no Billboard 200 são "Like A Virgin", Material Girl", "Love Don't Live Here Anymore", "Angel" e "Dress You Up” – praticamente o álbum todo!

6. Bedtime Stories (1994)

O álbum capturou Madonna em momento de transição, desviando da sexualidade explícita e apoiando-se em baladas e R&B antes de mergulhar de cabeça em dance music quatro anos mais tarde. A elegante “Secret” é a música mais memorável do repertório.

 

5. Erotica (1992)

A jornada sexual de Madonna teve seu auge em 1992, com Erotica, lançado junto a um livro de fotos eróticas, chamado Sex. Entre as faixas de maior destaque estão “Fever”, “Deeper And Deeper”, “Rain”, “Bad Girl” e “In This Life”. O álbum teve o seu auge no Billboard 200 quando chegou ao 2º posto.

4. Confessions On A Dance Floor (2005)

Madonna precisava de um projeto que agradasse o público depois de American Life dividir os fãs. Confessions On A Dance Floor reuniu as massas debaixo de um grande globo de discoteca. “Hung Up”, sampleada de ABBA, o principal single, foi um tremendo sucesso, que chegou ao topo das paradas ao redor do mundo. Mas o disco também vale por “Jump”, “I Love New York” e a espetacular “Sorry”. Uma edição com todas as músicas do álbum coladas, disponível em sites de streaming, é bastante indicada para uma malhação de menos de uma hora.

 

3. Madonna (1983)

Apesar de não ser o álbum mais maduro de Madonna, a estreia mostra o nascimento de uma estrela. Madonna é um dos álbuns de novo artista mais empolgantes da história do pop, vide “Borderline” e “Lucky Star”, que permanecem entre as melhores músicas de sua longa jornada.

 

2. Ray Of Light (1998)

Ray Of Light faz o que um álbum pop de sucesso deve fazer: comprometer-se com a estética, explorar os princípios por diversos ângulos e nunca perder a coerência. Trabalhando perto de William Orbit, Madonna sintetiza o tecno dos anos 1990 e o pop mais tradicional.

1. Like A Prayer (1989)

É difícilencontrar uma abertura de um álbum de música pop tão impactante quanto Like A Prayer, que começa com a faixa-título e “Express Yourself”. A primeira trata de sua educação católica, enquanto a segunda fala sobre o empoderamento feminino (muito antes da expressão entrar na moda). As letras são basicamente autobiográficas. Entre outros assuntos, ela canta sobre a relação com o pai, a morte da mãe e outros dilemas existenciais. Um clássico.

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Ar-Condicionado No 15
Wesley Safadão
Áudio indisponível
2
Regime Fechado
Simone & Simaria
3
Avisa Que Eu Cheguei (Part. Ivete Sangalo)
Naiara Azevedo
4
Na Conta Da Loucura
Bruno & Marrone
5
Amigo Taxista
Zé Neto & Cristiano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Os melhores e os piores álbuns de Madonna

por em 11/03/2015

PorJason LipshutzJoe Lynch, Leslie Richin

Com o lançamento de Rebel Heart esta semana, a equipe Billboard fez um ranking dos álbuns da Rainha do Pop, tomando por base um sistema simples de votos. Nós de Billboard Brasil concordamos com a ordem. Rebel Heart ainda não entra em discussão, pois ainda é muito cedo para determinar seu lugar na obra de Madonna.

13. MDNA (2012)

Apesar de não ter tido nenhum grande efeito com os fãs na época do lançamento, MDNA certamente tem os seus momentos. E, visto que até ontem era o álbum mais recente de Madonna, talvez leve um tempo para nos acostumarmos e apreciá-lo melhor.

12. American Life (2003)

Apesar de não ser tão ruim quanto os críticos afirmam, American Life é um álbum desigual. Ainda assim, merece aplausos pela arriscada mistura de pop, eletrônica e passagens folk.  

Screen Shot 2015-03-10 at 10.26.51 PM

11. Hard Candy (2008)

Para esse álbum, Madonna contou com um time de sucesso. Por exemplo, “4 Minutes” teve a participação de Justin Timberlake e Timbaland, “Give It 2 Me”, Pharrell, “Devil Wouldn't Recognize You” e “Beat Goes On”, Kanye West. O disco chegou ao número 1 do ranking Billboard 200.  

10. I'm Breathless (1990)

Apesar de Madonna não contar esse como um dos seus álbuns de estúdio, nós o incluímos na lista. Diferentemente das outras trilhas sonoras de Madonna (nesse caso, do filme Dick Tracy), tudo em I’m Breathless é: a) cantado por Madonna e b) escrito para o álbum ou para o filme que o inspirou. “Hanky Panky”, “Something To Remember” e a imortal “Vogue” são algumas das suas melhores performances vocais.  

 

9. Music (2000)

Seguindo o sucesso comercial de Ray Of LightMusic foi um retorno da estrela ao seu lado mais experimental, com trance e música country (veja o chapéu usado na capa!), sendo incorporados à mistura. “Music” continua sendo um triunfo por ter unido burgueses e rebeldes, “Impressive Instant” parece algo saído do álbum Homework, do Daft Punk, e "Don't Tell Me" é um dos singles mais subestimados da Rainha do Pop (Miley Cyrus sacou o seu poder e o regravou ao lado da professora). O tempo tem sido bom com Music, um álbum no qual Madonna expandiu sua visão de mundo enquanto permaneceu fiel a si mesma.

8. True Blue (1986)

De 1986 a 1987 Madonna se manteve ocupada fazendo a divulgação do seu terceiro álbum, True Blue – que a rendeu três números 1 no Hot 100. Foi a turnê de True Blue que fez de Madonna uma estrela internacional. Entre as faixas de destaque do disco – dedicado ao marido da cantora à época, o ator Sean Penn – estão “Live to Tell”, “Papa Don't Preach”, “Open Your Heart” e “La Isla Bonita”.

7. Like A Virgin (1984)

Com seu cinto e seu vestido de noiva, Madonna ditou a moda em boa parte da década de 1980.  As faixas de destaque do seu primeiro disco número 1 no Billboard 200 são "Like A Virgin", Material Girl", "Love Don't Live Here Anymore", "Angel" e "Dress You Up” – praticamente o álbum todo!

6. Bedtime Stories (1994)

O álbum capturou Madonna em momento de transição, desviando da sexualidade explícita e apoiando-se em baladas e R&B antes de mergulhar de cabeça em dance music quatro anos mais tarde. A elegante “Secret” é a música mais memorável do repertório.

 

5. Erotica (1992)

A jornada sexual de Madonna teve seu auge em 1992, com Erotica, lançado junto a um livro de fotos eróticas, chamado Sex. Entre as faixas de maior destaque estão “Fever”, “Deeper And Deeper”, “Rain”, “Bad Girl” e “In This Life”. O álbum teve o seu auge no Billboard 200 quando chegou ao 2º posto.

4. Confessions On A Dance Floor (2005)

Madonna precisava de um projeto que agradasse o público depois de American Life dividir os fãs. Confessions On A Dance Floor reuniu as massas debaixo de um grande globo de discoteca. “Hung Up”, sampleada de ABBA, o principal single, foi um tremendo sucesso, que chegou ao topo das paradas ao redor do mundo. Mas o disco também vale por “Jump”, “I Love New York” e a espetacular “Sorry”. Uma edição com todas as músicas do álbum coladas, disponível em sites de streaming, é bastante indicada para uma malhação de menos de uma hora.

 

3. Madonna (1983)

Apesar de não ser o álbum mais maduro de Madonna, a estreia mostra o nascimento de uma estrela. Madonna é um dos álbuns de novo artista mais empolgantes da história do pop, vide “Borderline” e “Lucky Star”, que permanecem entre as melhores músicas de sua longa jornada.

 

2. Ray Of Light (1998)

Ray Of Light faz o que um álbum pop de sucesso deve fazer: comprometer-se com a estética, explorar os princípios por diversos ângulos e nunca perder a coerência. Trabalhando perto de William Orbit, Madonna sintetiza o tecno dos anos 1990 e o pop mais tradicional.

1. Like A Prayer (1989)

É difícilencontrar uma abertura de um álbum de música pop tão impactante quanto Like A Prayer, que começa com a faixa-título e “Express Yourself”. A primeira trata de sua educação católica, enquanto a segunda fala sobre o empoderamento feminino (muito antes da expressão entrar na moda). As letras são basicamente autobiográficas. Entre outros assuntos, ela canta sobre a relação com o pai, a morte da mãe e outros dilemas existenciais. Um clássico.