NOTÍCIAS

Parceria entre Davi Moraes e Moraes Moreira finalmente chega ao disco

por em 28/04/2015
Por Marcos Lauro A parceria entre Davi Moraes e Moraes Moreira já dura, literalmente, uma vida inteira. Afinal, Davi, filho de Moraes, vê seu pai fazendo música desde que se conhece por gente. “Me lembro de meu pai tocando todos os dias, ele no violão e Armandinho no bandolim”, diz Davi. Agora, o disco Nossa Parceria se encarrega de registrar a dupla em estúdio. “A gente já se prometia um disco há muito tempo”, confirma Moraes, o pai. A Billboard conversou com os dois sobre a parceria e o disco. Vocês já dividem os palcos há algum tempo. Como foi essa virada do palco pro estúdio? Davi: Pois é, é nosso primeiro disco e foi totalmente dividido por nós dois, como compositores, músicos... estava na hora de registrar. Moraes: A gente já se prometia um disco há muito tempo. Desde pequeno Davi participa dos meus shows e o disco acabou diminuindo a distância entre as gerações. A música “Nossa Parceria”, que fecha o disco, conta bem essa história e foi feita na hora, no estúdio. Cheguei com a letra, pedindo pro Davi fazer um groove e fizemos. Tanto é que agora vou ter que aprender a música pra poder cantar nos shows [risos]. Pois é, vi que o disco vai render uma turnê. Como vai ser isso? D: A partir de junho a gente começa a turnê, mas também segue com os projetos pessoais e paralelos. Eu mesmo estou na banda da Maria Rita, tenho disco solo a caminho... M: Sim, é um show novo. A gente fechou a turnê em homenagem ao Acabou Chorare [disco dos Novos Baianos, de 1972], mas ainda tem muita gente pedindo esse show. Então acho que a gente vai seguir com esse show novo, mas com algumas música do Acabou Chorare no meio. “Mistério Do Planeta”, por exemplo, é muito pedida até hoje. Esse disco, na verdade, é meu oráculo. Quando tenho qualquer dúvida, ouço ele de novo. Davi, o que você herdou musicalmente do seu pai? D: Ah, herdei tudo. Principalmente a personalidade na guitarra. Ele me deu um cavaquinho quando eu era criança, até pelo tamanho do instrumento e tal. E levei aquele jeito de tocar pra guitarra. Eu toco samba com a Maria Rita, por exemplo, sem usar cavaquinho. É um samba levado na guitarra. O disco [Coração A Batucar] chegou a ganhar o Grammy Latino do ano passado. Meu pai é uma escola muito rica, tem a história com os Novos Baianos... uma banda que fez rock e chorinho juntos, quebrou barreiras. E qual a primeira lembrança musical que você tem? D: Ele tocava o dia inteiro em casa, é um compositor nato. Via ele e [o guitarrista] Armandinho tocando, já pós-Novos Baianos... meu pai com o violão e ele com o bandolim. A primeira lembrança musical do Davi é com você tocando em casa, Moraes. E a sua? M: É rádio e caixa de som na praça. Serenata e festa de São João. Me lembro de muitos compositores, como o Batatinha, que eu chamo de “Cartola da Bahia”. Conto um pouco a história dele nesse disco, com “Bossa E Capoeira”. Você gosta de contar histórias nas suas músicas, né? Se acha um trovador? M: Estou mudando meu perfil agora, de cantor pra “cantador”. Tenho trabalhado muito com cordel. Inclusive vou assumir em breve uma cadeira na Academia Brasileira de Literatura de Cordel. Meu próximo disco solo vai ser bem raiz. https://www.youtube.com/watch?v=EJnHwVY6AOY
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Ar-Condicionado No 15
Wesley Safadão
Áudio indisponível
2
Regime Fechado
Simone & Simaria
3
Avisa Que Eu Cheguei (Part. Ivete Sangalo)
Naiara Azevedo
4
Na Conta Da Loucura
Bruno & Marrone
5
Amigo Taxista
Zé Neto & Cristiano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Parceria entre Davi Moraes e Moraes Moreira finalmente chega ao disco

por em 28/04/2015
Por Marcos Lauro A parceria entre Davi Moraes e Moraes Moreira já dura, literalmente, uma vida inteira. Afinal, Davi, filho de Moraes, vê seu pai fazendo música desde que se conhece por gente. “Me lembro de meu pai tocando todos os dias, ele no violão e Armandinho no bandolim”, diz Davi. Agora, o disco Nossa Parceria se encarrega de registrar a dupla em estúdio. “A gente já se prometia um disco há muito tempo”, confirma Moraes, o pai. A Billboard conversou com os dois sobre a parceria e o disco. Vocês já dividem os palcos há algum tempo. Como foi essa virada do palco pro estúdio? Davi: Pois é, é nosso primeiro disco e foi totalmente dividido por nós dois, como compositores, músicos... estava na hora de registrar. Moraes: A gente já se prometia um disco há muito tempo. Desde pequeno Davi participa dos meus shows e o disco acabou diminuindo a distância entre as gerações. A música “Nossa Parceria”, que fecha o disco, conta bem essa história e foi feita na hora, no estúdio. Cheguei com a letra, pedindo pro Davi fazer um groove e fizemos. Tanto é que agora vou ter que aprender a música pra poder cantar nos shows [risos]. Pois é, vi que o disco vai render uma turnê. Como vai ser isso? D: A partir de junho a gente começa a turnê, mas também segue com os projetos pessoais e paralelos. Eu mesmo estou na banda da Maria Rita, tenho disco solo a caminho... M: Sim, é um show novo. A gente fechou a turnê em homenagem ao Acabou Chorare [disco dos Novos Baianos, de 1972], mas ainda tem muita gente pedindo esse show. Então acho que a gente vai seguir com esse show novo, mas com algumas música do Acabou Chorare no meio. “Mistério Do Planeta”, por exemplo, é muito pedida até hoje. Esse disco, na verdade, é meu oráculo. Quando tenho qualquer dúvida, ouço ele de novo. Davi, o que você herdou musicalmente do seu pai? D: Ah, herdei tudo. Principalmente a personalidade na guitarra. Ele me deu um cavaquinho quando eu era criança, até pelo tamanho do instrumento e tal. E levei aquele jeito de tocar pra guitarra. Eu toco samba com a Maria Rita, por exemplo, sem usar cavaquinho. É um samba levado na guitarra. O disco [Coração A Batucar] chegou a ganhar o Grammy Latino do ano passado. Meu pai é uma escola muito rica, tem a história com os Novos Baianos... uma banda que fez rock e chorinho juntos, quebrou barreiras. E qual a primeira lembrança musical que você tem? D: Ele tocava o dia inteiro em casa, é um compositor nato. Via ele e [o guitarrista] Armandinho tocando, já pós-Novos Baianos... meu pai com o violão e ele com o bandolim. A primeira lembrança musical do Davi é com você tocando em casa, Moraes. E a sua? M: É rádio e caixa de som na praça. Serenata e festa de São João. Me lembro de muitos compositores, como o Batatinha, que eu chamo de “Cartola da Bahia”. Conto um pouco a história dele nesse disco, com “Bossa E Capoeira”. Você gosta de contar histórias nas suas músicas, né? Se acha um trovador? M: Estou mudando meu perfil agora, de cantor pra “cantador”. Tenho trabalhado muito com cordel. Inclusive vou assumir em breve uma cadeira na Academia Brasileira de Literatura de Cordel. Meu próximo disco solo vai ser bem raiz. https://www.youtube.com/watch?v=EJnHwVY6AOY