NOTÍCIAS

RZO faz rap politizado e homenagens em show em São Paulo

por em 06/04/2015
Por Rodrigo Amaral da Rocha Com ingressos esgotados no SESC Pompéia, o RZO celebrou o seu retorno com o público. Com a formação completa (Helião, Sandrão, Negra Li e DJ Cia), mais a presença do entusiasmado rapper Calado, o show foi repleto de mensagens politizadas - costumeiras nas letras do RZO - e homenagens. Pedro Qualy, do Haikass, e Ice Blue, dos Racionais Mc's, também participaram do show. Indústria da música, sociedade do consumo, maconha, preconceito. Todas essas questões foram levantadas entre uma música e outra em forma de discurso ora por Sandrão, Helião, Negra Li e Ice Blue. Negra Li saía e entrava no palco, sempre quando sua voz era necessária. Sua presença era mais do que sentida, provando o seu amadurecimento artístico. Dois momentos foram marcantes. Ela mandou um discurso sobre preconceito, citando casos atuais, como o do menino Eduardo, de 10 anos, e o atentado no Quênia, com 148 mortos. Outro momento festejado foi a homenagem ao falecido rapper Sabotage. Negra Li, que participou da gravação original de “Rap É Compromisso”, chamou pra si a responsa e soltou a voz na música do começo ao fim. Ice Blue também era esperado por quem estava no SESC. O Racional cantou apenas três: “Eu Compro”, da nova fase dos Racionais, “Triplex”, parceria dele com Helião, e “Mano Na Porta Do Bar”, essa das antigas dos caras do Capão Redondo. Os clássicos do grupo de Pirituba não podiam faltar. “O Trem”, “Paz Interior” e “Luta Cansativa” foram cantadas em coro e de braços levantados em forma de alento pela plateia. “O Trem” foi a escolhida para fechar a apresentação. A letra, que fala do cotidiano que a Rapaziada da Zona Oeste (RZO) enfrentava nos anos 1990, foi entoada por todo público e por uma dezena de pessoas que subiram ao palco. Não faltou nostalgia na apresentação da volta pra valer do RZO. Ótimas boas-vindas ao grupo que pretende ressurgir no cenário do rap nacional. Mais: Leia também a conversa com Negra Li alguns dias antes do show  
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Ar-Condicionado No 15
Wesley Safadão
Áudio indisponível
2
Regime Fechado
Simone & Simaria
3
Avisa Que Eu Cheguei (Part. Ivete Sangalo)
Naiara Azevedo
4
Na Conta Da Loucura
Bruno & Marrone
5
Amigo Taxista
Zé Neto & Cristiano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

RZO faz rap politizado e homenagens em show em São Paulo

por em 06/04/2015
Por Rodrigo Amaral da Rocha Com ingressos esgotados no SESC Pompéia, o RZO celebrou o seu retorno com o público. Com a formação completa (Helião, Sandrão, Negra Li e DJ Cia), mais a presença do entusiasmado rapper Calado, o show foi repleto de mensagens politizadas - costumeiras nas letras do RZO - e homenagens. Pedro Qualy, do Haikass, e Ice Blue, dos Racionais Mc's, também participaram do show. Indústria da música, sociedade do consumo, maconha, preconceito. Todas essas questões foram levantadas entre uma música e outra em forma de discurso ora por Sandrão, Helião, Negra Li e Ice Blue. Negra Li saía e entrava no palco, sempre quando sua voz era necessária. Sua presença era mais do que sentida, provando o seu amadurecimento artístico. Dois momentos foram marcantes. Ela mandou um discurso sobre preconceito, citando casos atuais, como o do menino Eduardo, de 10 anos, e o atentado no Quênia, com 148 mortos. Outro momento festejado foi a homenagem ao falecido rapper Sabotage. Negra Li, que participou da gravação original de “Rap É Compromisso”, chamou pra si a responsa e soltou a voz na música do começo ao fim. Ice Blue também era esperado por quem estava no SESC. O Racional cantou apenas três: “Eu Compro”, da nova fase dos Racionais, “Triplex”, parceria dele com Helião, e “Mano Na Porta Do Bar”, essa das antigas dos caras do Capão Redondo. Os clássicos do grupo de Pirituba não podiam faltar. “O Trem”, “Paz Interior” e “Luta Cansativa” foram cantadas em coro e de braços levantados em forma de alento pela plateia. “O Trem” foi a escolhida para fechar a apresentação. A letra, que fala do cotidiano que a Rapaziada da Zona Oeste (RZO) enfrentava nos anos 1990, foi entoada por todo público e por uma dezena de pessoas que subiram ao palco. Não faltou nostalgia na apresentação da volta pra valer do RZO. Ótimas boas-vindas ao grupo que pretende ressurgir no cenário do rap nacional. Mais: Leia também a conversa com Negra Li alguns dias antes do show