NOTÍCIAS

Supercordas mergulha na psicodelia em Terceira Terra

por em 21/10/2015
O rock nacional respira. E bem, obrigado. Prova disso é o novo trabalho do Supercordas, Terceira Terra. Psicodélico e com tons retrô, o disco vem depois de três anos em relação do anterior. A Billboard Brasil conversou com Pedro Bonifrate sobre o álbum. Terceira Terra teve um intervalo de três anos em relação ao anterior, mas você tem também seu trabalho solo. Como você diferencia essa produção, do que é seu e do que vai para a banda? Essa diferenciação se transforma ao longo do tempo. Agora eu diria que o que eu produzo sozinho em casa é Bonifrate e o que eu faço com a banda coletivamente é Supercordas. As canções poderiam ser tanto de um quanto de outro, não há uma essência que as identifique de antemão. O que faz isso é o processo. reprodução/capa A banda se preocupa bastante com as capas e a desse disco chama bastante a atenção. Qual a história dela? Todas as nossas capas foram desenhadas pelo Wilson Júnior, o Juninho, que é um grande amigo nosso desde antes do princípio da banda. Nós damos total liberdade a ele na criação e, no máximo, conversamos sobre um acabamento ou outro. Ele trabalha em cima dos áudios e de textos que eu escrevo sobre os discos exclusivamente pra ele. É incrível, porque ele sempre nos surpreende! Quase sempre rola um estranhamento à primeira vista e com o tempo acabamos sempre amando e não imaginando outra coisa ali. O estranhamento à primeira vista costuma rolar com tudo o que eu mais gosto, eu diria. Então acho que temos o artista certo. A música Maria³ traz o verso "quer andar cantando mais e tuitando menos". Você acha que as redes tiram o foco das pessoas? Atrapalham muito? Acho que depende do foco e depende das pessoas, mas não sei se é isso o que o verso quer dizer. Talvez Maria queira expor um pouco menos sua criatividade bruta, cantarolar no chuveiro ao invés de compartilhar numa rede a primeira frase que vem à cabeça. Talvez seja melhor às vezes maturar as ideias do que jogá-las no mundo imediatamente. Ouça Terceira Terra: https://open.spotify.com/album/2VsGamo1RI5NSghioGIgA4
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Aquela Pessoa
Henrique & Juliano
2
Ar-Condicionado No 15
Wesley Safadão
Áudio indisponível
3
Na Conta Da Loucura
Bruno & Marrone
4
Avisa Que Eu Cheguei (Part. Ivete Sangalo)
Naiara Azevedo
5
Amigo Taxista
Zé Neto & Cristiano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Supercordas mergulha na psicodelia em Terceira Terra

por em 21/10/2015
O rock nacional respira. E bem, obrigado. Prova disso é o novo trabalho do Supercordas, Terceira Terra. Psicodélico e com tons retrô, o disco vem depois de três anos em relação do anterior. A Billboard Brasil conversou com Pedro Bonifrate sobre o álbum. Terceira Terra teve um intervalo de três anos em relação ao anterior, mas você tem também seu trabalho solo. Como você diferencia essa produção, do que é seu e do que vai para a banda? Essa diferenciação se transforma ao longo do tempo. Agora eu diria que o que eu produzo sozinho em casa é Bonifrate e o que eu faço com a banda coletivamente é Supercordas. As canções poderiam ser tanto de um quanto de outro, não há uma essência que as identifique de antemão. O que faz isso é o processo. reprodução/capa A banda se preocupa bastante com as capas e a desse disco chama bastante a atenção. Qual a história dela? Todas as nossas capas foram desenhadas pelo Wilson Júnior, o Juninho, que é um grande amigo nosso desde antes do princípio da banda. Nós damos total liberdade a ele na criação e, no máximo, conversamos sobre um acabamento ou outro. Ele trabalha em cima dos áudios e de textos que eu escrevo sobre os discos exclusivamente pra ele. É incrível, porque ele sempre nos surpreende! Quase sempre rola um estranhamento à primeira vista e com o tempo acabamos sempre amando e não imaginando outra coisa ali. O estranhamento à primeira vista costuma rolar com tudo o que eu mais gosto, eu diria. Então acho que temos o artista certo. A música Maria³ traz o verso "quer andar cantando mais e tuitando menos". Você acha que as redes tiram o foco das pessoas? Atrapalham muito? Acho que depende do foco e depende das pessoas, mas não sei se é isso o que o verso quer dizer. Talvez Maria queira expor um pouco menos sua criatividade bruta, cantarolar no chuveiro ao invés de compartilhar numa rede a primeira frase que vem à cabeça. Talvez seja melhor às vezes maturar as ideias do que jogá-las no mundo imediatamente. Ouça Terceira Terra: https://open.spotify.com/album/2VsGamo1RI5NSghioGIgA4